Vale a pena comprar um carro seminovo?

Decisão deve vir acompanhada de muita pesquisa e atenção aos detalhes do veículo, além de análise de preços e condições de pagamento

Nem todo mundo pode se dar ao luxo de comprar um carro zero quilômetro de primeira. Às vezes, nem de segunda. Hoje em dia, em tempos de aperto financeiro e crise econômica, comprar um carro seminovo virou opção de muita gente, de todas as classes sociais. Só que essa compra não pode ser decidida de última hora, nem ser feita despretensiosamente; é necessária muita cautela, muita atenção e incansáveis pesquisas.

O primeiro passo é constatar se vale mesmo a pena comprar um seminovo, colocando na balança a desvalorização do carro zero, os custos de manutenção do carro usado e as possíveis dificuldades na hora de revender. “O automóvel, no passado, era um bem. Hoje, é um bem que desvaloriza muito. Não é mais um investimento, é um patrimônio que dá despesa. A compra de um seminovo pode ser a possibilidade de suprir sua necessidade de transporte, ao mesmo tempo em que você consegue desembolsar menos”, afirma o educador financeiro José Vignoli.

Depois de comparar três modelos de carro zero quilômetro com suas versões seminovas, a economista-chefe do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), Marcela Kawati, concluiu que a vantagem do seminovo é real. “A depreciação do carro zero é muito rápida. Você já sai da concessionária e tem aquela desvalorização imediata. No carro usado, você já teve essa baixa muito grande antes, então você já paga mais barato. E a depreciação depois disso é menor”, garante.

Ela simulou a compra do Palio, do Gol e do Corolla, que estão entre os 10 carros mais vendidos do ano passado. “No cálculo, levei em consideração carros de até dois anos atrás. Se passar muito disso, o custo de manutenção acaba sendo muito pesado e precisaria incorporar na conta também”, afirmou. “Cheguei à mesma conclusão na comparação dos três carros”, alega. Veja o exemplo com o Palio:

“Vamos dizer que eu tenho todo o dinheiro para comprar um carro novo. Só que eu opto por comprar um carro usado, com dois anos de uso, e vender dois anos depois. A diferença entre o novo e o usado, eu colocaria na poupança”, sugere a economista. Baseado na tabela acima, portanto, mais de R$ 20 mil seriam aplicados.

“Se eu fizer isso, vale mais a pena comprar usado, porque deixo o dinheiro no banco, rendendo. O que eu vou precisar completar, dois anos depois, para comprar o próximo carro, é menos do que eu vou ter de dinheiro guardado”, analisa a economista. Ou seja: se você tiver comprado à vista e guardado na poupança a diferença, você vai ter mais dinheiro do que o necessário para comprar outro seminovo dois anos depois.

No caso da compra a prazo, a vantagem do seminovo fica no dinheiro “perdido” entre a compra e a venda, que é muito menor. “A diferença entre o preço que ela pagou no seminovo e o preço que ela vendeu é uma diferença muito menor do que se ela comprar novo e vender dois anos depois”, aponta. Ela acredita que dois anos é um tempo razoável para comprar e vender um veículo. Todos os valores utilizados na simulação foram baseados na tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Para facilitar a vida de quem está em busca de um seminovo, segue até o dia 2 de junho o Feirão de Aniversário do Shopping do Automóvel. O evento está sendo realizado nas duas unidades da marca: no Complexo de Salgadinho, em Olinda, e na Mascarenhas de Morais, na Imbiribeira, Zona Sul do Recife. São mais de 1500 carros disponíveis para compra, com condições facilitadas de entrada e financiamento, aprovação de crédito imediata e taxas reduzidas. Quatro instituições financeiras estão presentes nas duas unidades, para evitar burocracias e agilizar a compra do veículo.

“Há uma tendência muito grande de o cliente deixar de comprar o carro novo e partir para o seminovo”, afirma o diretor de marketing do Shopping do Automóvel, Carlos Nunes. “Porque geralmente você encontra um carro seminovo completão, como a gente sempre diz, com motorização maior, um carro mais completo”, diz.

A organização espera um crescimento de até 10% das vendas durante o período da feira, motivo pelo qual os lojistas se preparam com muita antecedência. “Tem lojista que começou a preparar seu estoque há dois meses. Selecionando carro, procurando carro bom de giro de mercado, carro em perfeito estado... Ou seja, nós estamos 100% preparados. Devido ao grande movimento do feirão nessa primeira semana, a gente aposta que o sucesso continue”, finaliza.

Itens a observar na compra de um carro usado
O especialista em mecânica automotiva do Senai Pernambuco, Marcelo Farias, conversou com a equipe do JC360 e enumerou os principais pontos que devem ser avaliados na hora de comprar um carro usado: observar se o carro foi batido; verificar a conservação da parte interna; ficar atento ao funcionamento do motor; ver o equilíbrio entre o ano do carro, quilometragem e estado dos pneus; e checar itens de segurança. “É interessante também que você leve uma pessoa de sua confiança, um mecânico, ou alguém que conheça de carro”, disse.

Fonte: JcNoticias