Vendas financiadas de veículos somam 421 mil unidades em julho

De acordo com a B3, empresa resultante da combinação da BM&FBOVESPA, uma das maiores bolsas do mundo em valor de mercado, e a Cetip, maior depositária de títulos privados da América Latina, no mês de julho encerrou com 420.809 veículos novos e usados financiados. O aumento foi de 10% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados consideram automóveis leves, motos e pesados. Desse total, foram vendidos a crédito 148.997 veículos novos, avanço de 3,2% ante julho de 2016. Já os usados atingiram 271.812 vendas a crédito, alta de 14,1% na mesma base de comparação. Os dados foram apresentados nesta terça-feira.

A B3 opera o Sistema Nacional de Gravames (SNG), base privada de informações que reúne o cadastro das restrições financeiras de veículos dados como garantia em operações de crédito em todo o Brasil. O SNG impede que o processo de financiamento de veículos seja suscetível a fraudes sistêmicas.

Entre os automóveis leves, as unidades novas avançaram 4,1% em julho, em relação ao mesmo mês de 2016, ao somarem 94.151 carros financiados. Já os autos leves usados cresceram 13,7%, na mesma base de comparação, e totalizaram 249.204 unidades financiadas em julho.

Considerando a média por dia útil, os automóveis leves novos apresentaram uma queda de 0,2% em julho, em relação a junho, enquanto os usados avançaram 1,9%, na mesma base de comparação.

Em julho, os autos leves com até três anos de uso mostraram queda de 5,8%, enquanto os autos leves com quatro a oito anos de uso avançaram 16,4%, na comparação com o mesmo mês de 2016, com 137.495 carros negociados. Seguindo o mesmo desempenho de alta, os carros com nove a 12 anos de uso e aqueles com mais de 12 anos avançaram 43% e 31,3%, respectivamente.

Considerando as modalidades de financiamento, o CDC continua sendo a mais utilizada pelos consumidores, com 349.941 veículos financiados em julho. Já o consórcio recuou 4,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, com 61.554 unidades.

O prazo médio de financiamento de autos leves de quatro a oito anos de uso aumentou de 42,8 para 43,3 meses em julho, em relação ao mesmo período de 2016. Já o prazo para carros novos caiu de 37,4 para 36,8 meses, na mesma base de comparação.

Fonte: UltimoInstante