Como escolher um carro usado de 4 a 8 anos.

venda de carros usados com 4 a 8 anos rodados subiu 4% no ano passado - eles foram a segunda "faixa etária" mais negociada no ano passado, perdendo apenas para os seminovos (até 3 anos). Hoje vou dar dicas para escolher corretamente um veículo dessa idade.

Um carro com 6 anos tem o equivalente a 50.000 a 60.000 km rodados, em geral. Dependendo da marca e do modelo, a necessidade de manutenção nesta quilometragem pode ser decisiva entre um bom ou mau negócio.
As tabelas de preços dos usados contemplam os desgastes proporcionais à quilometragem, mas veículos sem manutenção sofrem uma depreciação maior e isso deve ser levado em conta na hora da negociação.

Veja os itens que requerem mais atenção:

Pneus

Geralmente são substituídos entre 30.000 e 40.000 km, mas tem muito motorista que compra apenas um pneu e completa a troca com o estepe. Desta forma, ele substitui só os 2 pneus em pior estado de conservação.

Portanto, verifique atentamente o estado dos 4 pneus e não esqueça do sobressalente: já vi estepe tão ruim que nem o mosquito da dengue ia querer (é brincadeira, gente!);

Amortecedores

As pessoas não param para pensar que os amortecedores vão perdendo a ação com o tempo. Eles não possuem uma data específica de validade, mas, depois dos 30.000 km, começam a perder a ação.

Então, se o carro em que você tem interesse estiver entre 50.000 ou 60.000 km rodados e os amortecedores ainda não foram substituídos, considere esses gastos na hora de pensar no preço do carro. Troca de pneus e amortecedores costuma ficar na ordem de R$ 3.000, valor que pode variar para cima ou para baixo, de acordo com ano e modelo do carro.

Correia dentada

Todos já sabem que não se deve ultrapassar os 50.000 km ou 3 anos de uso dela. Aliás, cobre do vendedor a nota fiscal da troca: esse item não pode ser negligenciado. Correia dentada vencida pode mandar seu cabeçote e até seu motor para o espaço!

Superaquecimento

É muito comum em veículos sem manutenção preventiva a presença de sinais de superaquecimento do motor. Procure por manchas rosadas (vermelho vem do aditivo da água) nas conexões das mangueiras, ao lado da válvula termostática, no radiador e ao lado da tampa amarela do reservatório de água do motor.

Estes sinais podem indicar vazamentos ou mau funcionamento do sistema.

Embreagem

Fazer o teste para identificar se a embreagem precisa ser substituída também é financeiramente significativo. Veja como verificar

Se o câmbio for automatizado, aquele que possui embreagem mas faz as trocas automáticas, é imprescindível dar uma volta com o carro. Se existe um sistema que dá muita manutenção é esse: ou a embreagem se desgasta mais rápido ou ocorrem problemas no modulo gerenciador.

Além disso, é bom saber que a embreagem de um câmbio automatizado é mais cara do que a embreagem de um câmbio mecânico.
 

Câmbio automático

É um sistema mais confiável, porém, na maioria dos carros se faz necessário trocar o óleo hidráulico antes dos 50.000 km.

Por ser um serviço especializado, que precisa ser executado por profissionais habilitados, muitos motoristas deixam de fazer essa troca. E aí o que era uma simples troca de óleo poderá se transformar em um grande prejuízo.

Em veículos com mais de 80.000 km, ignorar essa substituição poderá gerar a perda de pressão interna do câmbio, impedindo a troca automática das marchas.

Antes de solicitar a documentação da manutenção, verifique no manual do proprietário qual é a recomendação da montadora.

Direção hidráulica

Se tiver ruído ou vazamento, é outro “osso”. Reparos na caixa ou na bomba de direção hidráulica costumam chegar próximo aos R$ 2 mil nos carros nacionais e R$ 4 mil nos importados.

No test drive você pode checar se existe barulho no sistema.

Porém, para verificar um possível vazamento, terá que levar o carro ao seu mecânico. Mas um bom indicio de que algo não vai bem é se o nível do reservatório (preto) da direção hidráulica estiver baixo.

Lembre-se: as notas fiscais de manutenção e ou carimbos de revisão no manual são os acessórios mais atraentes de um carro usado. Elas mostram ao comprador quais serviços foram realizados e quais serão as necessidades futuras.

Se estiver vendendo seu usado, ofereça uma vistoria veicular ao comprador: mostre a ele que seu carro não possui problemas graves e que pequenos reparos, como troca de uma bateria, óleos e filtros, e retirada de riscos da pintura, entre outros, são serviços pequenos e pertinentes a veículos com essa quilometragem.

Bons negócios!

Fonte: http://g1.globo.com/carros/blog/oficina-do-g1/post/como-escolher-um-carro-usado-de-4-8-anos.html