FENAUTO se reúne com Secretaria da Fazenda.

A Diretoria da FENAUTO participou de uma reunião, na última sexta-feira (09/03), sob coordenação do Deputado Estadual Vaz Lima, com representantes da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo.

O encontro contou com a presença de Ilídio dos Santos (Presidente da FENAUTO), Ecio Costa (Presidente da ALVA), Ney Faustini e Jorge L. Khalil (Diretores da ABRAC), João B. Simão (Vice-presidente da Fenabrave), Marcelo Franciulli (Diretor Executivo da Fenabrave), Edson Zanetti (Inteligência de Mercado da Fenabrave) e a equipe Tributária da Secretaria da Fazenda, chefiada por Luiz Claudio R. de Carvalho.

Na ocasião, a entidade apresentou sua preocupação com a alteração introduzida pelo Decreto nº 62.246/2016 (DOE-SP de 02/11), reduzindo o percentual a base de cálculo sobre as vendas de veículos seminovos e usados, de 95% para 90%. A Federação mostrou que esse Decreto estabeleceu uma situação de enorme disparidade entre lojistas do Estado de São Paulo e profissionais de outros Estados da União, já que, os aqui instalados, passaram a arcar com o maior valor de cobrança feito em todo o país.

Com essa situação que desrespeita a isonomia entre os profissionais da mesma atividade, onerando demasiadamente os lojistas do Estado de São Paulo com uma diferença brutal de tributação, os lojistas do Estado vêm amargando grandes prejuízos, com a consequente diminuição de investimentos em suas lojas, redução de empregos para manter o negócio funcionando e uma grande e clara injustiça fiscal quando comparada à situação dos outros Estados da União.

A FENAUTO mostrou que, somente no Estado de São Paulo, congrega 12.500 lojas, empregando diretamente perto de 80 mil profissionais que estão sendo afetados por essa nova situação.

Tendo a esperança de reverter esse quadro aflitivo, e certos de que a nossa categoria já contribuiu consideravelmente para o reequilíbrio da arrecadação do Estado de São Paulo, a FENAUTO solicitou ao Secretário de Fazenda que a decisão do aumento provocado pelo Decreto nº 62.246/2016 seja cancelada, retomando-se o desconto original de 95% aplicado anteriormente a esse Decreto.

Com essa decisão, a entidade está certa de que os empresários de nosso setor poderão voltar a investir e, assim, obterem recursos para a manutenção de suas empresas.