Lojas apontam aumento na venda de seminovos e usados na Capital

No primeiro trimestre do ano, a venda de veículos usados registrou alta de 0,76%

O primeiro trimestre de 2019 foi positivo para o setor de venda de veículos usados, que registrou alta de 0,76%. É o que apontam dados da Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores). Em Mato Grosso do Sul o crescimento se repete: lojistas de Campo Grande indicam um crescimento que varia de 9% a 15%, ancorados em impressões sobre uma menor depreciação no valor do bem.

A movimentação do setor se reflete no número de eventos realizados na Capital. Só neste fim de semana, Campo Grande teve agendados dois feirões, um no Albano Franco e outro na Praça do Papa.

Sem carro, a ortodontista, Karen Ide está procurando um seminovo. Na escolha pelo veículo, ela não cogitou um zero quilômetro. "Carro zero perde muito, desvaloriza muito no primeiro ano", argumenta. Ela procura um carro fabricado em 2016. "Estamos procurando um carro seminovo por causa do valor, já que as taxas de financiamento de carros mais velhos são mais caras", lembra.

A procura começou há duas semanas e, no Feirão do Albano Franco, que começou na sexta-feira (5), a ortodontista encontrou vantagens como desconto de até 8% no valor.

Depois de ter o primeiro carro zero, o arquiteto, Luiz Alberto Teruya vê nos usados uma alternativa para troca. "Depende da situação de cada pessoa, mas eu não tenho condições de comprar um carro zero porque é muito caro. Um zero hoje passa de R$ 44 mil. Já nos seminovos e usados o valor tem mais vantagem. Para mim, compensa um carro usado", conta.

O proprietário da V4 Veículos, Jeandro Sbardelotto, um dos 23 lojistas que participam do feirão no Albano Franco, conta que no ano passado teve queda 3% nas vendas. Mas nos três primeiros meses desse ano, o cenário mudou. Jeandro calcula que vende, em média, 80 veículos por mês. "A demanda é grande. Desde janeiro registramos crescimento 9% nas vendas em comparação com o mesmo período do ano passado", compara.

Já o proprietário da JJ Veículos, Agapito Bezerra Neto, defende que o mercado de seminovos e usados está estável. "Não tivemos queda, mas sim uma melhorada neste ano. Nesse primeiro trimestre tivemos um um aumento de cerca de 15% nas vendas", afirma. Por mês, o lojista vende 15 carros em Campo Grande.

Fonte