Placas do Mercosul entram em vigor em todo o Brasil; veja preços


As novas placas do Mercosul estão em vigor em todo o Brasil a partir desta sexta-feira (31), depois de vários adiamentos. Elas se tornam obrigatórias apenas para carros novos e em situações que exijam a troca, como mudança de município e quando o item é danificado ou furtado.

O que aparece no QR Code das placas do padrão Mercosul?
Fabricantes e Detrans dizem que mudanças desconfiguraram placa do Mercosul, que ficou menos segura; governo nega
Outra novidade é que as placas devem ser vendidas pelas estampadoras diretamente ao consumidor, sem o intermédio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), como acontecia até então.

Caberá ao órgão informar ao proprietário do veículo as empresas credenciadas (veja mais detalhes ao fim da reportagem).

Com isso, cada estampador pode cobrar valores diferentes, cabendo ao consumidor pesquisar os melhores preços. O Detran pode, contudo, determinar um valor máximo a ser praticado pelas empresas.

É o que acontecerá em São Paulo, por exemplo, onde o teto será R$ 138,24, mesmo valor da placa cinza.

Quanto vai custar?
O Ministério da Infraestrutura disse que as novas placas devem ter custo semelhante ao das placas cinza. "Está próximo. Vai sair praticamente pelo preço da antiga. Mais para frente, até mais barato", afirmou o ministro Tarcísio de Freitas, no último dia 23.


No entanto, um levantamento feito pelo G1 nos estados e Distrito Federal, com base em informações dos Detrans, mostra que não há consenso sobre o barateamento dos valores em relação ao modelo antigo, dependendo do local.

Entre os estados que responderam ao questionamento, o Amapá informou o valor mais alto: R$ 500.

Tabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas ainda não estavam em vigor — Foto: G1 CarrosTabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas ainda não estavam em vigor — Foto: G1 Carros
Tabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas ainda não estavam em vigor — Foto: G1 Carros

Tabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas já estavam em vigor — Foto: G1 CarrosTabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas já estavam em vigor — Foto: G1 Carros
Tabela mostra comparação entre as placas novas e antigas onde elas já estavam em vigor — Foto: G1 Carros

Até a publicação desta reportagem, os estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará e Roraima não haviam retornado. Os estados de Amapá e Ceará não divulgaram o valor das placas atuais, enquanto Alagoas, Ceará, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins não divulgaram o valor máximo estabelecido. O Distrito Federal disse que o valor do novo modelo ficará próximo do atual.

Quem precisa da nova placa
Veículos novos:

Primeiro emplacamento.

Veículos em circulação:

Troca de município e/ou estado;
Se as placas forem furtadas;
Se as placas forem danificadas;
Se o veículo mudar de categoria.
Novidades na compra
Para o novo padrão, o Detran faz apenas o registro do veículo e a emissão dos documentos. A partir daí, com o documento em mãos, o proprietário fica responsável por buscar uma estampadora para emplacar o veículo.

O Detran de cada estado terá de disponibilizar em seu site uma lista com todas as empresas credenciadas para que o proprietário do veículo escolha a de sua preferência. Por isso, o pagamento das placas deve ser feito diretamente para as estampadoras.

Até então, com o padrão de placas antigo, de cor cinza, o Detran enviava automaticamente as informações do veículo para um único posto credenciado.

Com os documentos do veículo em mãos, o proprietário ia até o endereço indicado pelo próprio órgão estadual para realizar o emplacamento. O pagamento era feito previamente para o próprio Detran em agências bancárias.