Mercado reage acima das previsões iniciais

O número mais animador foi a média de vendas diárias de 11.300 unidades entre veículos leves e pesados
O número mais animador foi a média de vendas diárias de 11.300 unidades entre veículos leves e pesados, a melhor em 2020. Não se trata de grande avanço pois em fevereiro último a média diária atingiu 11.200 unidades, porém é o sexto mês seguido de expansão.

As exportações deram um salto de 38% sobre novembro de 2019 (melhor mês deste ano) e a produção, 4,7% maior que a do mesmo mês do ano passado. Resta ver o cenário em dezembro, mas é provável que as vendas superem 2 milhões de unidades, acima das previsões.

No acumulado dos nove primeiros meses a queda é de 28,1%, mas 2020 deve terminar com algo em torno de 25% de recuo, bem menor que os mais de 40% previstos inicialmente. Os estoques somaram apenas 16 dias, metade do normal.

Todavia, será mais difícil encontrar carros para pronta entrega no curto prazo, admite Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.

“Mesmo com mão de obra disponível pois férias foram antecipadas, algumas linhas de montagem vão parar para manutenção ou alterações. Infelizmente os preços continuarão a subir pelos efeitos do dólar alto e as dificuldades de abastecimento de insumos. Estoques muito baixos também pressionam preços ao consumidor.”

Outro indicador razoável é o mercado de automóveis e comerciais leves usados (95% do total das vendas). Fenabrave constata alta de 14,3% entre novembro de 2020 e o mesmo mês de 2019.

No acumulado comparativo entre os dois anos a retração é de 17,4%, bem menor do que em veículos novos, o que pode dar alguma sustentação em 2021.

“O mercado de usados seguiu aquecido em novembro, especialmente se consideramos 20 dias úteis contra 21 em outubro. Observamos aumento dos índices de confiança do consumidor, boa oferta de crédito, taxas de juros estáveis. Faltaram alguns modelos de carros zero-km no mercado”, comenta Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave.

A Fenauto, que congrega lojas independentes, informa que entre 30/11 e 3/12 houve variação positiva de 3,7% sobre a semana anterior nas vendas de modelos usados. É possível, portanto, que 2020 termine com queda entre 10% e 15% em relação a 2019, resultado surpreendente em tempos tão difíceis.

Fonte