Alta do ICMS em São Paulo: lojas de carro devem parar


Em reação ao aumento de 207% no imposto, vendas de seminovos e usados serão suspensas neste sábado, 09; novos também serão afetados

O Governo de São Paulo vai adotar, a partir do dia 15 de janeiro, algumas medidas de seu Plano de Ajuste Fiscal. Dentre elas está o aumento de 207% no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para veículos usados e seminovos. A alta gerou reações no mercado de automóveis: lojas de carro pretendem paralisar parte de seus atendimentos a partir das 10h deste sábado, 09 de janeiro.

A Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores, Fenauto, enviou uma nota de apoio aos lojistas.

A associação considerou abusivo o aumento de 207% da alíquota do ICMS sobre carros usados, que passará de 1,8% para 5,53%. Ilídio dos Santos, presidente da Fenauto, afirmou que mantém negociações com o governo paulista desde o início de 2020 e tinha estabelecido um acordo verbal para manter as alíquotas.

A organização alerta que o consumidor será prejudicado pela medida, já que os custos serão repassados aos preços dos veículos.

A alta do ICMS, prevista no Decreto nº 65.253/2020, é uma das ações do estado contra a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

Vale ressaltar que 84% do valor arrecado por São Paulo com impostos vem do ICMS.

Alta do ICMS em veículos novos
Não serão apenas os carros usados que ficarão mais caros em 2021. Os veículos zero km também serão afetados pelo Plano. O ICMS dos produtos passará de 12% para 13,3%.

O imposto também ficará maior para combustíveis como etanol e matérias-primas como o aço.

Fonte